Últimas postagens

Silêncio e esquecimento na Alemanha do Pós-Guerra

Lógica da Guerra Fria ensejou esquecimento dos crimes nazistas em diversos setores da sociedade alemã no Pós-guerra. O país confronta-se ainda hoje com essa difícil memória.

Por Rafael Haddad

Após a Segunda Guerra Mundial, a Alemanha jazia destruída, tanto do ponto de vista material quanto social. O nazismo havia sucumbido, os Aliados ocupavam o país e as maiores preocupações da população giravam em torno de questões básicas de sobrevivência, como água e comida. Os vencedores do conflito na Europa tomaram consciência real das atrocidades cometidas nos campos de concentração e, considerando essas e outras ações como crimes perpetrados pelas lideranças políticas, militares e econômicas da Alemanha, efetuaram os Julgamentos de Nuremberg, que entre 1945 e 1946 desvendaram muito do que foi feito pelos nazistas. Enquanto alguns dos julgados foram condenados à morte, outros foram absolvidos ou tiveram penas de prisão. Os julgamentos tiveram diversos objetivos, tanto jurídicos quanto sociais pois, além de punir aqueles que foram apontados como artífices da morte de milhões de pessoas, serviram também para mostrar à população o alcance dos crimes nazistas, que foram apoiados, direta ou indiretamente por parte expressiva dos segmentos sociais alemães. Segundo a lógica dos Aliados, exibir as atrocidades cometidas levaria a uma conscientização do povo, à repulsa dos valores nazistas, e por fim, a não repetição do que havia ocorrido futuramente.

Captura de Tela 2016-04-28 às 12.06.53

Habitantes de Weimar são levados por soldados norte-americanos para inteirar-se do que ocorrera no Campo de Concentração de Buchenlwald, 1945. Fonte: Observador.

Para além daqueles que foram julgados em Nuremberg, havia um número significativo de alemães que tinham colaborado com os crimes nazistas – não só oficiais de alto e médio escalão do Terceiro Reich, mas também membros do NSDAP, empresários e pessoas comuns. O que se viu na Alemanha após a realização do Tribunal de Nuremberg, no entanto, foi um silenciamento cada vez maior quanto aos crimes nazistas. Ainda durante a ocupação, os próprios Aliados colaboraram para isso. Ao invés de focar no expurgo social do nazismo, americanos, ingleses, franceses e soviéticos concentraram todos os seus esforços na reconstrução da Alemanha. Mas o que contribuiu de maneira decisiva para esse silenciamento foi a intensificação dos conflitos políticos da Guerra Fria que, já no final da década de 1940, levaram à divisão da Alemanha em dois países distintos e rivais: a República Democrática Alemã (RDA), de orientação socialista, e a República Federal da Alemanha (RFA), ocidental e capitalista. Tal modificação da geopolítica alemã acabou por elevar os germânicos a um importante papel dentro do contexto europeu e global da Guerra Fria.

Uma das principais consequências dessa guinada em relação ao papel dos alemães no pós-guerra diz respeito ao papel de ex-nazistas na máquina governamental: muitos são os registros de membros do NSDAP que fizeram parte dos novos governos alemães, principalmente na RFA. As autoridades de ocupação e transição, em incontáveis ocasiões, ignoraram ou até mesmo “esqueceram”, segundo o autor Richard Bessel, o passado dos novos funcionários, para que o objetivo de organizar os novos países fosse alcançado. O processo de reconstrução das duas partes da Alemanha incluía a recuperação econômica, o reerguimento das instituições políticas e uma renovação nas relações sociais. Os alemães, tanto da RFA quanto da RDA, tiveram de se readaptar às novas condições de vida sem o nazismo; suas reflexões e memórias sobre a guerra foram, em diversas oportunidades, reprimidas mesmo que de maneira não intencional pelas iniciativas de reconstrução, resultando no silêncio sobre o passado para as gerações posteriores, como aponta o autor alemão Winfried Georg Sebald.

O esquecimento e o silêncio sobre o que ocorreu, todavia, não eram de todo desejáveis na formação intelectual e ideológica dos alemães após a Segunda Guerra Mundial: as autoridades das “duas Alemanhas” tinham objetivos específicos a atingir utilizando-se de representações próprias do conflito para o público. Nos lados ocidental e oriental, além da Guerra Fria, a maior preocupação era evitar ao máximo que o nazismo viesse a ressurgir futuramente: o “legado” que o Terceiro Reich poderia ter deveria ser diretamente ligado à destruição, guerra, intolerância e crimes. A rememoração e o esquecimento referentes aos crimes nazistas, na sociedade alemã, tem uma linha extremamente tênue e de difícil conceituação, e que atualmente vem sendo analisada cada vez mais nos debates acadêmicos, tanto no país recentemente reunificado, quanto em outros institutos privados e/ou públicos pelo mundo. O lado ocidental da Alemanha, auxiliado pelos maciços investimentos dos EUA, reergueu-se durante a década de 1950, tornando-se um importante baluarte capitalista na Europa nos anos seguintes; já a parte oriental do país, alinhada ao socialismo soviético, reavivou-se aos poucos, tornando-se um dos países satélites do bloco comunista.

Podemos explicar esse fenômeno com uma expressão que o autor alemão Hermann Lübbe cunhou em 1983 para definir o que houve na Alemanha do pós-guerra: “pacto de silêncio”. Através dessa estratégia tácita e pragmática, a RDA e a RFA puderam se erguer, mas tiveram como efeito colateral a reintegração de antigos nazistas à sociedade. Essa necessidade de esquecimento perdurou praticamente como uma “instituição” sem controvérsias até meados da década de 1960, quando começaram a ser realizados estudos mais profundos sobre o Holocausto e quando ocorreram alguns julgamentos de nazistas por tribunais pelo mundo. As novas gerações de alemães ocidentais e orientais queriam mais detalhes sobre o que ocorreu durante o nazismo e até então somente tinham acesso a parcas documentações e relatos truncados de suas próprias famílias sobre o período. Daí em diante, o silêncio que guardava o passado traumático passou a ser alvo de contestações, surgindo lacunas que, ao serem investigadas, possibilitaram um conhecimento maior sobre o que se passou, ainda que o “pacto de silêncio” tivesse criado raízes.

Seguindo, Karl Jaspers, a Alemanha somente poderia se reerguer mediante uma “expiação da culpa”: mesmo que a maioria dos alemães não tivesse participado diretamente das atrocidades cometidas durante a guerra, a culpa não estaria somente na esfera criminal. Segundo Jaspers, em relação à ocorrência “dos crimes que foram cometidos em nome do Reich, cada alemão se torna corresponsável. Somos coletivamente ‘responsáveis’. A questão é, entretanto, em que sentido cada um de nós tem de sentir-se corresponsável. Sem dúvida, no sentido político da corresponsabilidade de cada cidadão pelos atos que comete o Estado ao qual pertence”.

Com a reunificação da Alemanha, no início da década de 1990, a sociedade alemã e o próprio governo alemão se viram novamente confrontados com o passado. Os crimes nazistas passaram a estar cada vez mais presentes em memoriais, museus, discursos públicos, na literatura, nas cátedras universitárias, no cinema e até nas artes plásticas. Mas a “expiação da culpa” não era mais o único sentido em disputa. Essas memórias passavam por questões diversas, indo desde a consolidação da União Europeia e sua necessidade moral de reconhecer seu papel no Holocausto até o próprio silenciamento alemão e seus significados. De toda forma, a memória dos crimes nazistas está longe de ser uma questão resolvida. A rememoração coletiva e individual ainda terá um longo caminho a percorrer

Referências Bibliográficas:

BESSEL, Richard. Alemanha 1945: Da guerra a paz. Tradução de Berilo Vargas. 1ª Edição. São Paulo: Editora Companhia das Letras, 2010.

JASPERS, Karl. El problema de la culpa: sobre la responsabilidad política de Alemania. 1ª Edição. Barcelona, Espanha: Ediciones Paidós, 1998.

LÜBBE, Hermann. Der Nationalsozialismus im politischen Bewusstsein der Gegenwart, in BROSZAT, Martin (org.). Deutschlands Weg in die Diktatur: Internationale Konferenz zur nationalsozialistischen Machtübernahme im Reichstagsgebäude zu Berlin. 1ª Edição. Berlim, Alemanha Ocidental 1983, pp. 329–49.

SEBALD, Winfried Georg. Guerra Aérea e Literatura. Tradução de Carlos Abbenseth e Frederico Figueiredo. 1ª Edição. São Paulo: Editora Companhia das Letras, 2011.

6 comentários em Silêncio e esquecimento na Alemanha do Pós-Guerra

  1. E havia também a necessidade de pessoas aptas a ocuparem muitos desses cargos administrativos, se punissem todo mundo poderia abalar a própria estrutura administrativa. Lembrando que houve casos de colaboradores do nazismo em paises que foram ocupados por eles como a França, onde ocorreu a mesma coisa. Salvo engano o primeiro prefeito de Paris no pós guerra foi colaborador ou participe da França de Vichy.

    Curtido por 1 pessoa

    • Olá, Thiago! Obrigado pelo comentário! Você tem toda razão. No imediato pós-guerra, houve uma “limpeza” mais ou menos bem sucedida nos setores públicos e até mesmo na iniciativa privada. Mas a partir do início da década de 1950, graças a um certo relaxamento político, antigos funcionários do Terceiro Reich voltaram a atuar em diversos setores governamentais, quer na Alemanha Federal, quer na Alemanha Democrática. Havia, conforme apontavam, uma demanda de pessoas qualificadas para fazer o “país rodar”. No judiciário da RFA, o número de ex-nazistas era alarmante. Dizia-se que o Ministério das Relações Exteriores de Adenauer havia mais nazistas do que na “Era Hitler”. Recentemente, contudo, alguns pesquisadores tem relativizado a “justificativa” de que os nazistas voltaram porque não havia quadros suficientes para fazer funcionar a maquinaria estatal. Ao meu ver, essa me parece uma ponderação bastante correta. Precisamos questionar essa “imprescindibilidade” dos nazistas no pós-guerra. Vale a pena ficar de olho. Grande abraço!

      Curtir

  2. quem escreveu essa materia e que dia foi postada

    Curtido por 1 pessoa

  3. Sugiro a leitura de:
    Memória, esquecimento, Silencio, de Michael Pollak.
    Regimes de historicidade: presentismo e experiências do tempo, de François Hartog.
    Seduzidos pela memória, de Andreas Huyssen.

    Os mesmos abordam questões que completrariam a questão social no texto, abordando desde o “esquecimento e o silêncio”, que seria algo relacionado a indicadores de memória coletiva, como a questão de relembrar, algo bastante sintomatico na sociedade alemã atual (pós anos 90).
    Abraços

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: